Síndrome de Asperger


A Síndrome de Asperger foi referenciada pela primeira vez em 1944 pelo pediatra austríaco Hans Asperger, após ele descrever 4 crianças que tinham dificuldade em se integrar socialmente em grupos. Asperger percebeu que estas crianças apesar de terem as habilidades intelectuais preservadas, apresentavam uma notável pobreza na comunicação não-verbal, empatia pobre, assim como uma tendência a intelectualizar as emoções. Sua fala era prolixa, em monólogo e às vezes incoerente, tendendo ao formalismo. Ao contrário das crianças analisadas por Kanner, estas não eram tão retraídas ou alheias e também desenvolviam, às vezes precocemente, uma linguagem altamente correta em termos gramaticais.

A Síndrome de Asperger (SA) faz parte do espectro do autismo e também está classificada como um Transtorno Invasivo do Desenvolvimento. Tal síndrome se caracteriza por prejuízos na interação social, bem como interesses e comportamentos limitados. Ela se difere do autismo pelo fato de não haver um atraso significativo no desenvolvimento da linguagem falada ou na percepção da linguagem, no desenvolvimento cognitivo, nas habilidades de autocuidado e na curiosidade sobre o ambiente. Interesses circunscritos intensos que ocupam totalmente o foco da atenção e tendência a falar em monólogo, assim como incoordenação motora, são típicos da condição, mas não são necessários para o diagnóstico.

Diferente do autismo, indivíduos com a Síndrome de Asperger encontram-se isolados, mas não são usualmente inibidos na presença dos demais. Normalmente, eles abordam os demais, mas de forma excêntrica, pelo fato de:

  • estabelecerem uma conversação em monólogo caracterizada por uma linguagem prolixa, pedante sobre um tópico favorito, geralmente não-usual e bem delimitado;
     
  • apresentarem dificuldade em perceber os sentimentos e intenções alheias emitidas por comunicação não-verbal, como a expressão facial e emocional, por exemplo;
     
  • apesar de terem dificuldade de intuir e se adaptar espontaneamente de acordo com o contexto interativo, eles apresentam apego às regras formais do comportamento e às rígidas convenções sociais;
     
  • exibirem padrões de entonação, velocidade e fluência da fala pouco relacionado com o contexto comunicativo da declaração.